Home

Pesquisa do Instituto Acertar na RMB mostra paraense otimista

Publicado por Reinaldo Araújo em 31/12/2018 às 09h03

Em relação ao Pará, pesquisa mostra maioria confiante. 

O presente estudo foi realizado através de uma pesquisa de natureza quantitativa e compreendeu a dispersão geográfica da Região Metropolitana de Belém.

ESC6

Região Metropolitana de Belém (RMB)

O Instituto Acertar quis saber qual a expectativa dos moradores da Região Metropolitana de Belém (RMB) dos mesmos em relação à situação econômica do país para o ano de 2019. 72,8% se mostraram otimistas

33,7% o ano de 2019 vai ser muito melhor que o de 2018

39,1% responderam que vai ser um pouco melhor.

13,4% acreditam que não vai mudar nada

12,1% estão pessimistas

6,4% acham que a situação econômica do país vai estar um pouco pior

5,7% disseram que vai estar muito pior

1,7% dos entrevistados não quis declarar suas opiniões.

ESC1

Os mais otimistas em relação à situação econômica do Brasil para o ano de 2019, são os homens, pessoas com 45 anos de idade a mais, com nível de escolaridade que varia do ensino fundamental ao médio e são preferencialmente pessoas que se declararam evangélicas.
Quanto aos mais pessimistas, o perfil desse público é formado principalmente pelas mulheres, com idade que varia de 25 anos a 44 anos, com nível de escolaridade entre o ensino médio e superior, com renda que varia de dois a cinco salários mínimos e que se declararam católicas, praticantes ou não.

No que diz respeito à percepção dos entrevistados em relação ao desenvolvimento econômico do estado do Pará em 2019, os dados da pesquisa apontaram também uma visão otimista.

59,1% responderam que o estado do Pará vai melhorar

29,8% deve ficar igual como está

5,7% disseram que vai piorar

5,4% não responderam à pergunta.

ESC2

Foi solicitado que os entrevistados respondessem qual o principal problema do estado do Pará, que o próximo governador, deverá priorizar e procurar solucionar de forma mais imediata.

47,3%

O próximo governo deverá resolver ou solucionar a falta de segurança pública em vários aspectos, deverá combater a criminalidade, com a maior presença da polícia nas ruas, bairros, organizar e estruturar PM box e delegacias, aumentar o contingente de policias e rondas mais frentes. Essas foram as principais sugestões da população.

21,6%

Acham que o maior problema a ser solucionado está relacionado a saúde pública, como a falta de atendimento humanizado nos postos de saúde e hospitais, a falta de médicos e medicamentos nos postos de saúde, a longa espera para consultas e tratamento de doenças e médicos especializados.

11,8%

O problema principal é a falta de saneamento básico e deve ter mais rigidez com aqueles que jogam lixo nas ruas, depositam lixo as proximidades de canais e ampliar uma campanha educativa, nesse sentido.

9,5%

Melhorias na educação pública. Para esse público, que é formado por pessoas de todas as categorias sociais, é urgente que sejam feitas reformas de escolas e criar mecanismos de segurança dentro do ambiente escolar.

6,2%

O desemprego

3,6%

Deram outras respostas.

Fonte: Instituto Acertar

ESC2

A pesquisa lembrou a população de uma das propostas de campanha do governador eleito Helder Barbalho, que diz respeito à vinda da Força Nacional de Segurança Pública, para ajudar a conter ou combater a violência no Estado.

73,8% disseram que são favoráveis à vinda da Força Nacional

20,6% se declararam contra essa medida

2,1% essa questão é indiferente

3,5% deixaram de responder à pergunta.

ESC4

CONTRA - As pessoas que se posicionaram contra essa medida, alegaram que se faz necessário investir mais em educação para a sociedade, criar empregos através de incentivo à indústria, aumentar o contingente policial, dar mais estrutura para a polícia trabalhar, investir em inteligência para combater o crime organizado.

A FAVOR - Os favoráveis a vinda da Força Nacional alegam que juntamente com as polícias locais, poderão inibir o crime organizado, assim como haverá maior presença de policiamento nos bairros e no interior do estado.

Metodologia

O presente estudo foi realizado através de uma pesquisa de natureza quantitativa e compreendeu a dispersão geográfica da Região Metropolitana de Belém.

O público-alvo foram pessoas de ambos os sexos com idade igual ou superior a 16 anos, residentes nos municípios de abrangência da pesquisa.

A amostra foi distribuída de forma proporcional considerando as variáveis sexo e grupo de idade. Foram aplicadas 436 entrevistas, a margem de erro para os resultados gerais da pesquisa é de 5,0% para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%. A coleta dos dados foi realizada entre os dias 18 a 21 de dezembro de 2018.

 

Comentários (0)

CMT dá posse ao 14° presidente do Poder Legislativo Municipal

Publicado por Reinaldo Araújo em 30/12/2018 às 11h39

Em 1º de janeiro de 2019, toma posse a nova composição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Tailândia (CMT), com Lauro Ferraz Hoffmann (PTC), presidente, Desto Carneiro (MDB), vice-presidente e Armando Sodré (PSC), secretário, vai unir a juventude do presidente à experiência de todos vereadores, que representam a zona urbana e rural do município de Tailândia

MAR3

Mesa Diretora da CMT - Lauro Hoffmann (em destaque), presidente; Desto Carneiro, vice-presidente; e Armando Sodré, secretario

O que é a Câmara Municipal de Tailândia

De acordo com a Resolução nº 003/2004, promulgada pelo então presidente da Câmara Municipal de Tailândia (CMT), vereador Celso Thadeu Hermes, a Câmara Municipal de Tailândia é o órgão legislativo do Município e compõe-se de Vereadores eleitos nas condições e termos da legislação vigente. (LOMT, art. 18).

A Câmara tem funções legislativas, exerce atribuições de fiscalização externa, financeira e orçamentária de controle e de assessoramento dos atos do Executivo e pratica atos de administração interna.

Atualmente a CMT possui 13 vereadores eleitos constitucionalmente, em acordo com a Legislação Eleitoral vigente. Desde a sua implantação em 1º de janeiro de 1990, já se passaram oito legislaturas

O orçamento municipal de 2019, aprovado na Lei Orçamentária Anual (LOA) destina para o Poder Legislativo Municipal no próximo ano o orçamento de R$ 4.180.552,00. Ou seja, cerca de R$ 348 mil, por mês que deverá pagar pessoal, o salário dos vereadores que chega a R$ 8 mil sem descontos, além de garantir o funcionamento da casa.

Desafios

O novo presidente de CMT deverá apostar na capacitação e formação de vereadores e assessores na questão da gestão administrativa, legislativa e financeira, pois sendo a CMT um órgão que tem como funções legislativas, exerce atribuições de fiscalização externa, financeira e orçamentária de controle e de assessoramento dos atos do Executivo.

Além disso, a CMT deve ter um perfil mais moderno, principalmente na revisão de diversas leis que já não dão conta do crescimento da cidade e das necessidade do Povo de Tailândia.

A valorização de seus funcionários também está na ordem do dia, pois são esses que de fato fazem funcionar o Poder Legislativos em Tailândia.

A Política

A nova mesa da CMT foi eleita pela bancada da base da administração do prefeito Macarrão, nesse sentido, regimentalmente é necessário garantir a autonomia dos poderes e ao mesmo tempo o assessoramento aos atos do Poder Executivo, acompanhando e influindo nas ações governamentais municipais.

É necessário, num momento de mudança do governo Estadual, uma interação maior a nível regional, com a Assembléia Legislativa, Câmara e Senado Federal, e com o próprio governo Hélder Barbalho, afim de buscar verbas para obras e ações de desenvolvimento no município.

Enfim, a nova Mesa Diretora tem como principal desafio abrir as portas do legislativo para projetos de políticas públicas do legislativo que venham ao encontro da melhoria das condições de vida da população tailandense e manter-se fiel à política social da administração municipal.

Para efeito de registro

Lauro Hoffmann é o presidente da CMT mais jovem da história, com 29 anos, mas não é o mais novo a compor a Mesa Diretora. O senhor Pedro Medeiros, foi o vereador votado e o membro da mesa diretora mais jovem. Com apenas 22 anos assumiu a vice-presidência da CMT.

Comentários (0)

left show fwB tsN b01s bsd|left tsN fwB|left show fwB tsN|bnull|||news login uppercase c05 b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 c05 bsd|tsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase|content-inner||