Home

A morte de Jesus como ato político

Publicado por Reinaldo Araújo em 19/04/2019 às 09h12

Ao me deparar com o texto do professor e padre Benedito Ferraro, escrito sob o título “Significado político-teológico da morte de Jesus”, publicado em 1996, no site Vida Pastoral (www.vidapastoral.com.br), mais me convenço que a morte de Jesus Cristo, além do significado religioso, tem um ato político em sua saga.

CRUZ

O texto do padre Benedito Ferraro nos remete a uma pergunta básica: Quem matou Jesus? Essa pergunta nos propõe a procura das causas históricas da condenação de Jesus à morte na cruz.

Essa preocupação nos leva ao contexto sócio histórico da Palestina do I Século, segundo o pe. Benedito Ferraro, onde Jesus é alguém que tenta enfrentar o processo de opressão e exclusão dominante na sua época, quer por parte dos Romanos, quer por parte da classe dirigente dos Judeus que se aproveitava da situação.

“Não podemos nos esquecer de que tanto Jesus como seus primeiros seguidores são judeus e procuram retomar as raízes do judaísmo, pois sua esperança estava baseada no Deus que libertou o povo do Egito”, afirma Ferraro.

Benedito Ferraro, vai mais além: “A condenação de Jesus à morte, e morte na cruz, é fruto das tramas históricas provenientes do confronto de práticas. A do Império (Romano), da qual também participavam dirigentes do povo Judeu, e a messiânica de Jesus, que era seguida por seus discípulos e posteriormente por seus seguidores, movidos pela fé na ressurreição”.

Então,  no contexto sócio histórico, toda e qualquer pretensão messiânica tinha, na Palestina do I Século, uma significação essencialmente política. Era considerada crime de lesa-majestade e, portanto, passível imediatamente de morte. A repressão dos romanos foi sempre violenta. Os romanos não admitiam absolutamente nenhuma tentativa de mudança. A união de interesses entre romanos e dirigentes judeus acabou por definir a condenação de Jesus.

Em sua pesquisa o pe. Benedito, deixa entrever claramente que a morte de Jesus tem uma dimensão política bem nítida, vejam só, “Começaram a acusação, dizendo:‘Achamos este homem fazendo subversão entre nosso povo, proibindo pagar tributo ao imperador, e afirmando ser ele mesmo o Messias, o Rei’”

A morte de Jesus por execução sob Pôncio Pilatos é mais certa do que qualquer outro fato histórico, pois eliminava um "perigo" tanto para as pretensões romanas, quando para o poder dos sacerdotes judeus. Nesse sentido, essa questão nos coloca na direção da busca do sentido da morte de Jesus. A quem ela interessou?

O próprio Jesus nunca buscou a sua morte, mas a sentiu como consequência de sua prática histórica. Sendo discípulo de João Batista, que havia sido assassinado, não deixaria de compreender que, colocando-se no seu seguimento, certamente teria de enfrentar o mesmo fim.

Certamente Jesus compreende sua morte à luz da tradição do martírio dos profetas. No entanto, são as comunidades que tentam estruturar o sentido da morte de Jesus, para poder ultrapassar o fosso causado pela morte. Aqui trabalha a fé pascal e aponta a vitória da vida sobre a morte, mesmo onde só apareceria fracasso.

Nesse sentido, para Ferraro, as primeiras comunidades cristãs compreendem a morte de Jesus na linha da tradição do martírio dos profetas.

Para o autor, quanto a interpretação da Morte de Jesus como morte do Messias Crucificado, essa interpretação recorre ao Antigo Testamento, para mostrar que a morte de Jesus se insere na trama humana com toda a sua ambiguidade e que Deus nunca abandonou seu Filho.

Claro que, diante das grandes expectativas messiânico-apocalípticas da época, a morte do Messias na cruz era um verdadeiro escândalo. Como compreender o Messias, que deveria vir com poder, acabar torturado, execrado, morto como vil impostor?

Por fim, sobre a Morte de Jesus como expiação e sacrifício, Benedito diz que “há muitos textos do Novo Testamento que apontam para o sentido da morte de Jesus na linha da expiação pelos pecados e do sacrifício para a salvação do gênero humano.

Essa interpretação acabou influenciando os relatos da CeiaJesus é visto como o Justo, o Inocente, que com sua morte estabelece uma nova relação entre o ser humano e Deus.

A sua morte é vista como redentora, expiatória, sacrifical. Alcança o perdão dos pecados e inaugura uma "nova e definitiva aliança de Deus com seu povo".

Então, nesse momento de reflexão precisamos vincular a morte de Jesus as suas causas históricas, pois se não o fazermos estaremos legitimando o sacrifício como algo inevitável. Do mesmo modo, se desvincularmos da Morte de Jesus as questões sociais e econômicas fazendo parte da legitimação lógica e eterna da exclusão, da pobreza, das crianças de rua, da violência, das desigualdades estaremos justificando a exploração do capital sobre o trabalho e aprofundando os problemas sociais da humanidade, acreditando que o sofrimento é uma "coisa normal" entre os filhos de Deus.

Comentários (0)

Tailândia: a sociedade cobra a elucidação de assassinatos

Publicado por Reinaldo Araújo em 18/04/2019 às 17h04

Quando as policias Civil e Militar de Tailândia chegaram a não ter registro de ocorrência de homicídio durante 29 dias, o maior período sem crimes dessa natureza nos últimos 5 anos, onde Tailândia figurou entre as três cidades mais violentas do Brasil (2010), com taxa média de 128,4 homicídio a cada 100 mil habitantes, ficando no ranking das cidades consideradas perigosas, título esse que nenhum morador tem orgulho, parece que essa mancha negra na história quer voltar.

PERIGO
Em menos de uma semana dois homicídios movimentaram a vida das polícias do município e da opinião pública local. Foi o assassinato, nessa segunda-feira (15) de Guilherme Nunes Redivo, de 67 anos, mais conhecido em Tailândia como “Guilherme Capixaba”, onde teria sido morto na zona rural com um tiro, e de Erivelton Araújo, de 30 anos, conhecido como “Bebel”, que foi morto a tiros na tarde dessa quarta-feira (17) na vicinal do Cemitério. A vítima foi atingida com vários disparos de arma de fogo. 

Guilherme Capixaba era muito conhecido na Vila Macarrão, onde residia e tinha uma oficina de motos, foi candidato a vereador nas eleições de 2016. Erivelto era conhecido por ser uma pessoa pacata e chegou a trabalhar como fiscal de ônibus escolar.

PERIGO2

No caso de Erivelto Araújo, o delegado de plantão, João Bosco, já começou a investigar o homicídio, bem como, a morte de Guilherme Nunes Redivo. É importante enfatizar que a sociedade deve cobrar a elucidação desses dois assassinatos para que todos possam ter tranquilidade em seu dia a dia na cidade.

A história recente do município não cabe mais atitudes bárbaras e soluções violentas. O que se espera das polícias são providências e uma investigação conclusiva sobre essas mortes.

Governo Helder comemora redução da violência no Estado

De acordo com o Blogue www.ctpbr.blogspot.com , que divulgou nesta quinta-feira (18), os dados referentes aos crimes violentos praticados em todo o Brasil, no primeiro bimestre de 2019, onde houve uma redução da violência no Estado do Pará.

Quando comparados com os dois primeiros meses do ano passado, o número de crimes violentos teve diminuição de 24,6%, em todo o Brasil.

Ao todo, entre janeiro e fevereiro deste ano, foram cometidos 6.865 crimes violentos - homicídio, latrocínio e lesão corporal seguida de morte. Ano passado, no mesmo período, foram 9.094 crimes dessa natureza em todo o país.

Para satisfação da cúpula da Segurança Pública no Estado, o Pará está entre os estados que conseguiram maiores reduções. Com 26,8% menos crimes violentos, o estado é o sétimo no ranking liderado pelo Ceará (-57,8%).

 

Comentários (0)

left show fwB tsN b01s bsd|left tsN fwB|left show fwB tsN|bnull|||news login uppercase c05 b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 c05 bsd|tsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase|content-inner||