Home

Câmara de Tailândia deverá eleger novo presidente hoje

Publicado por Reinaldo Araújo em 13/12/2018 às 08h51

A Câmara dos Vereadores ou Câmara Municipal é o órgão legislativo do município de Tailândia (CMT). Ele é responsável pela criação das leis que organizam e regulamentam a cidade e por fiscalizar o poder executivo municipal.

CMT1Composição da CMT: (esquerda para direita) vereadores (as) Rosenildo, Alceu, Lauro Hoffimann, Creu das Vans, Raimunda, Dário, Queimado, Jaqueline, Desto Carneiro, Hígia Frota, Márcio, Sodré e Gordo do Palmares. 

 

Geralmente as câmaras municipais são divididas em Base do Governo, vereadores aliados da política administrativa do prefeito, e a Oposição, grupos políticos ou partidários que se organizam para se opor ao prefeito vigente, muitas vezes travando o trabalho do gestor municipal, como acontece em Tailândia.

Como funciona à CMT

As sessões são os momentos em que os vereadores se reúnem para discutir e votar leis e outros projetos que deveriam estar voltados para os interesses da população e aprovação de indicações, que pouco contribuem para as ações públicas da prefeitura. Em Tailândia o salário de um vereador é de R$ 8 mil e a CMT realiza uma Sessão Ordinária por semana.

Se aprovado o projeto de lei, passa pela sanção do prefeito, vira lei e passa a vigorar. Se for vetado, o projeto volta à Câmara para apreciação dos vereadores, que podem manter ou derrubar o veto do prefeito.

Orçamento da CMT

A Câmara Municipal administra recursos estabelecido pela Constituição Federal e corresponde 4,5% sobre a receita tributária ampliada do município, que é repassado pela prefeitura à câmara no sistema de duodécimo, como é conhecido esse repasse, ou seja, 1/12 avos.

A Câmara Municipal de Tailândia atualmente tem 13 vereadores. Devido a aprovação da Emenda Constitucional nº 58, que alterou a composição das câmaras municipais no Brasil, aprovada em 23 de setembro de 2009.

Eleição para a nova Mesa Diretora da CMT

A Câmara tem uma mesa diretora que de 2 em 2 anos é eleita internamente pelos vereadores, que cumpre a tarefa de coordenar o andamento das sessões e administrar o orçamento da CMT e o legislativo municipal.

Assim, é fundamental a participação da população de Tailândia nas questões relacionadas à Câmara Municipal, pois é ela que aprova leis, fiscaliza e acompanha as obras e as ações de desenvolvimento da municipalidade.

Por isso, hoje, 13/12, às 9h30, deverá ocorrer a última Sessão Ordinária do 2º semestre do período legislativo de 2018, e além de ser votada Lei de Orçamentária Anual (LOA) do Município, elegerá a próxima Mesa Diretora da CMT, que se constitui de presidente, vice-presidente e secretário, para o período de 2019-2020, é bom que todos estejam presentes para garantir a transparência do processo e acompanhar o posicionamento dos vereadores eleitos pelo Povo.

Comentários (0)

Antes de assumir, Bolsonaro amarga escândalos em família

Publicado por Reinaldo Araújo em 08/12/2018 às 09h57

Você acreditaria se o coelhinho da Páscoa fosse lhe dar presente no Natal?

Pois é! Como um assessor parlamentar que recebe R$ 276 mil por ano movimentaria 1,2 milhões de reais nesse mesmo período?

BOL

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) se pronunciou nesta sexta-feira, 7, sobre o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que apontou 1,2 milhão de reais em transações financeiras “atípicas” de um ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), seu filho.

Entre as movimentações de Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor do filho do presidente eleito, listadas pelo órgão está a emissão de cheques que somam 24.000 reais para a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Em entrevista ao site O Antagonista, Bolsonaro disse que Queiroz, ex-motorista de Flávio, devia-lhe dinheiro (40.000 reais) e fez o pagamento a Michelle.

Bolsonaro diz que dinheiro recebido pela futura Primeira Dama foi o pagamento de um empréstimo pessoal.

O conteúdo do relatório do Coaf e a citação à mulher do presidente eleito no documento foram revelados pelo jornal O Estado de S. Paulo na quinta-feira, 6.

“Emprestei dinheiro para ele em outras oportunidades. Nessa última agora, ele estava com um problema financeiro e uma dívida que ele tinha comigo se acumulou. Não foram 24 mil reais, foram 40 mil. Se o Coaf quiser retroagir um pouquinho mais, vai chegar nos 40 mil reais”, afirmou.

Bolsonaro disse ainda que poderia ter colocado o dinheiro em sua conta, dividido em dez cheques de 4.000 reais por Queiroz, mas que o valor foi destinado à conta de Michelle porque ele “não tem tempo de sair”. “Essa é a história, nada além disso. Não quero esconder nada, não é nossa intenção”, completou.

Onyx Lorezoni, futuro ministro da Casa Civil, questionou o papel da Coaf,  órgão ligado ao Ministério da Fazenda e que será transferido para a pasta da Justiça no governo Bolsonaro, nas investigações dos escândalos do mensalão e da Petrobras e subiu o tom de voz com um repórter após a pergunta sobre a origem do dinheiro apontado no relatório.

Onys fica nervoso com pergunta de jornalista

“Onde é que estava o Coaf no mensalão? Onde é que estava o Coaf no petrolão? Esse é o ponto”, disse. “Eu sou o investigador? Não. […] Quanto o senhor recebeu esse mês [perguntou ao repórter]? Não tem a menor relevância a sua pergunta”, completou, antes de deixar a entrevista em um evento empresarial em São Paulo.

Fonte: Revista Veja - 7 dez 2018, 22h03

 

Comentários (0)

left show fwB tsN b01s bsd|left tsN fwB|left show fwB tsN|bnull|||news login uppercase c05 b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 c05 bsd|tsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase|content-inner||