Helder: 6 meses de coalizão e cooptação no Pará

Publicado por Reinaldo Araújo em 02/07/2019 às 10h22

No dia 1º de julho, o governo Helder Barbalho completou 6 meses e quais foram as principais ações desse governo para o povo do Pará?

É indiscutível afirmar que esse governo se mantém forte, onde conseguiu compor um secretariado com aliados de primeira hora, no 1º turno, e com os que vieram ao apoio, no 2º

A3

Num processo de composição de uma coalizão política a partir de interesses regionais, e outra a partir da cooptação, estabelecida pelo diálogo de alianças, colocando grupos oligárquicos tradicionais, partidários e projetos pessoais e ideológicos no mesmo saco, como o feroz bolsonarismo de Eder Mauro, ao radicalismo Psolista de Edmilson Rodrigues.

De sobra, cooptou também parte do PSDB, quero dizer “amarrou uma parceria” com Dr. Daniel, o deputado estadual mais votado do Estado, e Helder, fez questão de intervir pessoalmente para colocar o amigo numa posição estratégica de aliado principal na presidência da Alepa.

Um governo oligárquico e de centro

Dizia eu para um amigo, que de fato só poderíamos ver a cara do novo governo (ideológica e politicamente) depois do terceiro mês, onde Helder mostrou seu perfil político de família oligárquica tradicional, até agora de Centro. Dizer que Helder vai ser um representante do “neoliberalismo” no Pará não é verdade. Que é um demônio, só os adversários acreditam nisso.

Seu posicionamento de defender os Estado e municípios na Reforma da Previdência foi um reflexo que todo o gestor público tem. Helder não é uma marionete, foi o momento de dar a sua opinião sobre o tema político mais quente do momento. E deu!

Dizer que vai governar com as elites do agronegócio depois da polêmica aprovação do projeto de lei 129/2019, que trata do processo de regularização fundiária no Estado do Pará, em parte é verdade, uma posição de representante de classe, além de fazer parte da primeira fatura da dívida de campanha, que foi cobrada duramente na Alepa, com o aval de Helder e sua base parlamentar.

Sobre as questões do campo e ambiental, o governo tem que abrir o dialogo

Agora tem que abrir o diálogo se não às entidades ambientais não o deixarão dormir. Não esqueçamos que há uma fatura dos movimentos sociais do campo com relação à apuração de assassinatos de lideranças de lutas ambientais e rurais que está em aberto, Helder não vai querer entrar para história como assassino de sem terra.

As cobranças de campanha estão chegando

Helder vai viver nesse segundo semestre a fase mais dura de seu governo: as cobranças vão começar a bater na porta, e como todo o devedor, ou paga a conta, fica inadimplente ou dá o calote. Para quem pretende ter uma reeleição tranquila e esperar mais quatro anos para pegar a cadeira do senador Jader quentinha, vai ter que fazer política e pagar as suas contas.

O governo, nesse primeiro semestre, teve uma grande prova para resolver, a queda da ponte sobre o Rio Moju, que une a RMB ao Sul do Pará. Nesse teste, o governo provou estar preparado para ações de emergência.

O jeito de administrar crises convence, mas o legado de falta de segurança atrapalha

Por outro lado, o que mais fritou Helder nesses primeiros seis meses sem dúvida alguma foi à questão da segurança pública. O quesito segurança, estampou as manchetes dos principais jornais, site de notícias e blogs, e não vai parar por aí. Helder mexeu com um problema na Região Metropolitana de Belém (RMB) que foi empurrado por todo mundo, pelo próprio Jader, que criou a PATAM, como se matar bandido resolvesse alguma coisa. Jader teve a oportunidade em seu segundo mandato (1990), e todos os outros governos do PT ao PSDB, sendo que as gestões dos tucanos, pela omissão, só fizeram agravar a situação.

Porém, dizer que só se matava policiais na Era PSDB virou “mi-mi-mi”. Isso já está passando dos limites. Se o governo começar a aceitar isso, vai doer menos para o governo e para as viúvas.

Em falar em viúvas...

Para não esquecer, que nessa retrospectiva, Helder teve que enfrentar manifestação de mulheres de policiais, mas perceberam que não foi ouvida uma vaia dos professores do Sintepp sobre o piso salarial da categoria. Pois é?

Enquanto isso, a questão do piso dos professores se arrasta para 2020 seguramente com previsão no orçamento estadual. A resolução da questão dos professores vai passar por um acordo eleitoral em Belém.

Abaixo, destaco algumas notícias que marcaram esses últimos 6 meses de governo Helder, a partir das manchetes de jornais, sites e blogs, diversifiquei as fontes e pouco usei a “fonte oficial” (DOL), para não dizer que estamos sendo tendenciosos.

DIA

MANCHETE

DESTAQUE

COMENTÁRIO

O Liberal

28/12/2018

Veja a lista de secretários e secretárias de Helder Barbalho

 

O governador eleito do Pará, Helder Barbalho (MDB), tem usado a sua conta no Twitter para divulgar os nomes dos secretários e das secretáriasdo novo governo, além de informações sobre o próximo mandato.

O governador eleito apresenta o seu desenho de secretarias que vai do PSL de Bolsonaro ao Psol, de Edmilson.

G1 PA Belém

01/01/2019

 

Helder Barbalho toma posse como governador do Pará

 

O governador eleito do Pará, Helder Barbalho (MDB), e o seu vice, Lúcio Vale, tomaram posse oficialmente durante cerimônia realizada na manhã desta terça-feira (1º) no plenário da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) em Belém. Ao fim da cerimônia, Helder recebeu a faixa governamental das mãos da esposa, em solenidade em frente ao Museu Histórico do Pará, Palácio Lauro Sodré. O ex-governador Simão Jatene avisou que não compareceria para passar a faixa.

Helder toma posse.

Diário do Pará  17/12/2018

Pela 1ª vez, um governador do Pará toma posse em Belém, Santarém e Marabá

"Temos a responsabilidade de, daqui para frente, cuidar deste estado, cuidar de milhões de paraenses, e fazer com que a esperança do nosso povo se transforme em obras, serviços e qualidade de vida. É um novo tempo para o Pará. Tempo de mudança. Tempo de presença", declarou o novo governador.

Helder traz consigo a descentralização administrativa, tão esperada no Sul e Oeste paraense.

G1 PA 

02/01/2019

 

Um dia após posse, Helder solicita apoio da Força Nacional e inicia operação de combate à violência

 

Um dia após tomar posse como governador do Pará, Helder Barbalho assinou nesta quarta-feira (2) um ofício solicitando o apoio da Força Nacional ao Governo Federal. O objetivo é reforçar a segurança pública no Estado do Pará.

Helder apresenta plano de ação de segurança para a RMB.

G1 PA

16/01/2019

Moro diz que 'no momento' não é possível atender a pedido de envio da Força Nacional para o Pará

 

Mais cedo, Barbalho se reuniu com Moro e reiterou o pedido de ajuda federal. A expectativa do governador é de que pelo menos 200 agentes sejam deslocados para o estado a partir de março. Mas o ministro não estabeleceu prazo.

Barbalho amarga a sua primeira frustração.

Rede Pará

01/02/2019

Governador prestigia posse dos novos deputados e eleição da Mesa Diretora da Alepa

“Queremos fazer uma Assembleia o mais transparente possível e também fazer os trabalhos chegarem aos municípios mais distantes, bem como ouvir as populações dessas regiões. Tudo o que a sociedade propuser, que nós julgarmos interessante e da vontade de todos, vamos implementar”, ressaltou Dr. Daniel, acrescentando que ainda está em conversa com vários partidos para definir à qual sigla se filiará.

Helder coopta, interfere e elege Dr. Daniel (sem partido) presidente da mesa diretora da Alepa.

Jornal Folha do Progresso

07/03/2019

Helder Barbalho recebe secretário de Bolsonaro para anúncio da chegada da Força Nacional

Desde que assumiu o mandato, em 1º de janeiro, o governador do Pará tenta a vinda da Força Nacional para atuar no Estado. Inicialmente o pedido era de 500 homens, que atuariam junto aos policiais do Estado na segurança de municípios da Região Metropolitana de Belém e também no interior do Estado. Mais adiante, após negativa do governo federal, o número diminuiu para 200 agentes, liberados pelo ministro Sergio Moro.

Bolsonaro autoriza Força Nacional. Dos 500 agentes, só vieram 200. Vitória parcial.

Agência Pará

09/03/2019

Governo Por Todo o Pará chega a Santarém levando obras e serviços

Após o ato de instalação do Governo por Todo o Pará, o Helder se reúne com representantes das prefeituras e câmaras municipais de municípios das regiões do Xingu, Baixo Amazonas e Tapajós. Ao longo dos quatro dias de programação, o chefe do Executivo ainda tem encontros com o procurador-geral de Justiça do Estado, Gilberto Martins, e com promotores de Justiça do Baixo Amazonas. Sessão especial da Assembleia Legislativa também integra o cronograma de atividades, na quinta-feira (21).

É instalado o governo Por Todo o Pará no Baixo Mazonas.

Por G1 PA 

06/04/2019

 

Parte de ponte da Alça Viária cai no Rio Moju, no Pará

 

"A princípio, ainda é prematuro falarmos em interrupção no tráfego sobre a ponte. De toda forma, já solicitei que sejam liberados recursos do tesouro para a execução das medidas emergenciais”, explicou o governador", disse o governador Helder Barbalho, na época.

Prova de fogo para saber se o governo estava dormindo. Reação imediata. Parece que soluções faziam parte de um roteiro.

Por G1 PA 

07/04/2019

 

Governo decreta situação de emergência e anuncia construção de portos e estradas após queda da ponte na Alça Viária, no PA

 

“Esse prazo não nos atende, então pedimos que trabalhem 24 horas e autorizamos a usar todo maquinário necessário. Não devem economizar nos esforços para diminuir esse prazo. O tempo para nós é o mais essencial”, ponderou o governador.

Ações imediatas do Governo na crise da queda da ponte.

Agência Pará

07/04/2019

Governo por Todo o Pará chega a Marabá com obras e serviços

“A indústria guseira, que já chegou a gerar aqui na região dez mil postos de trabalho, foi uma das mais afetadas com a crise que recentemente assolou o País. Queremos retomar o protagonismo desse setor, tão importante para o desenvolvimento local”, destacou Helder Barbalho.

É instalado o governo Por Todo o Pará no Sul e Sudeste paraense.

Blog do Branco

09/04/2019

Duas tragédias, dois governos. A diferença está na resolução

 

No caso do governo Helder Barbalho, a ação foi imediata, e vieram do próprio governador, que pessoalmente esteve no local nos primeiros raios de sol, além de se fazer presente em todas as reuniões sobre o acidente, inclusive indo de rabeta exatamente no local, ficando a poucos metros dos escombros

Ações foram tomadas com atitudes. Nessa prova e fogo. o governo foi aprovado.

G1 PA 

16/05/2019

 

Após morte de 20 agentes de segurança pública, Governo anuncia medidas para proteger policiais

 

“Uma vez que temos três visitas na semana, aumentamos três vezes as chances de entrar objetos não permitidos, como aparelhos celulares e drogas no sistema prisional.”, informou o secretário Extraordinário para Assuntos Penitenciários, Jarbas Vasconcelos, durante a coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (16), no Palácio do Governo, em Belém.

O nó dos problemas na RMB é a segurança pública. Problema que se arrasta á décadas.

Correio Brasiliense

05/06/2019 21:51

Governadores do MDB pedem inclusão de Estados na reforma da Previdência

 

Helder Barbalho argumentou, por sua vez, que a retirada dos estados e municípios levaria algumas localidades a pedir suporte financeiro ao governo federal posteriormente. "A manifestação dos governadores do MDB é compreendendo que é fundamental que a nova Previdência possa ter repercussão nos estados e municípios

Em evento nacional Helder defende a entrada dos Estados na Reforma da Previdência, mas o Estado Pará, não tem lá esse impacto com a reforma.

Terra de Direitos

19/06/2019 

Mais de 60 organizações pedem que Helder Barbalho vete Lei de Terras do Pará

 

Um conjunto de mais de 60 movimentos sociais e organizações – entre elas a Terra de Direitos – protocolou neste dia 19 de junho um requermento ao governador do Pará, Helder Barbalho, para que a lei de terras aprovada pela Assembleia Legislativa (Alepa) na última semana seja vetada integralmente. A Lei 129/2019 que dispõe novas regras para regularização fundiária em terras públicas do estado foi aprovada após uma manobra legislativa no dia 11 de junho.

Foi vacilo ou pensaram que ninguém ia ver, prefiro a segunda opção.

É necessário para que o governo do Pará faça uma reforma no Iterpa, pois é ele que gerencia a questão agrária do Estado.

G1 PA

25/04/2019

 

Detentos líderes de facções criminosas no Pará são transferidos para presídios federais

 

As ações de revista e demais medidas devem ser intensificadas no Pará, de acordo com o secretário Extraordinário de Estado para Assuntos Penitenciários, Jarbas Vasconcelos. "Estamos transferindo nomes, dos mais perigosos, para o sistema federal, esperando que haja uma diminuição das ordens de crimes de grande repercussão violenta nas ruas", afirmou.

Somente transferências não vão resolver. O crime organizado nas penitenciárias paraense são como a Hidra, corte-lhe uma cabeça e crescerão três.

Blog do Fausto MAcedo

24 de junho de 2019

Pará transfere 30 líderes de facções criminosas após descobrir plano de fuga de 400 detentos

 

Segundo Barbalho também foram tomadas medidas de saturação dentro do presídio.

As facções dos quais os detentos participam não foram informadas por uma questão de segurança das investigações que ainda estão em andamento, afirmou o governo.

Barbalho apontou, no entanto, durante entrevista, que os presos seriam líderes de ‘atuações envolvendo violências ostensivas no Estado e tráfico de drogas’.

 

Plano internos de rebelião, celulares, tráfico de drogas é igual a falência do sistema penitenciários no Pará.

Ver o Fato

28/04/2019

DE OLHO NA PONTE - Provocado pelo Ver-o-Fato, TCE do Pará fiscalizará obra no Rio Moju

O internauta tem razão. E a nós, do Ver-o-Fato, resta cobrar que a fiscalização sobre as obras da ponte do Moju se faça com seriedade e focada na melhor utilização do dinheiro público. Aliás, foi o próprio governador Helder Barbalho quem chamou o TCE e os MPs para fazer parte desse grupo de trabalho e fiscalização.

Acordo libera dinheiro para reconstruir a Ponte do Moju. Mas está certo Carlos Mendes, tem que fiscalizar.

G1 PA

28/05/2019

 

Esposas e mães de policiais ocupam sede de batalhão da PM em Belém há mais de 24 horas

 

Um grupo de mulheres com o rosto coberto ocupava na noite desta terça-feira (28), há mais de 24 horas, a sede do 2º Batalhão da Polícia Militar de Belém. As manifestantes, cerca de cem mães e esposas de policiais, pedem melhorias para a categoria, como reajuste salarial e políticas de proteção.

Helder enfrenta manifestação de mulheres de PM’s, que reivindicam mais segurança pública para quem é segurança pública.

Diário do Pará

31/05/2019

Bolsonaro deve vir a Belém para aniversário de Igreja

No próximo dia 13 de junho o presidente Jair Bolsonaro virá a Belém para participar da comemoração do aniversário de 108 anos da igreja Assembléia de Deus no Brasil. 

Segundo a Igreja, o presidente foi convidado e confirmou a presença no evento. Ele deverá participar do primeiro dia de comemoração, quando será realizada uma solenidade cívico religiosa de abertura das celebrações.

E foi só isso. Apesar de Helder ser o anfitrião, o mestre de cerimonia e dama de companhia, Bolsonaro não se comoveu com o show de Helder na entrega de Conjunto Habitacional Meinha Casa Minha Vida, em Icoaraci, e mandou paraense virar garimpeiro e deixar de ‘encher o saco’.

 

 

Enviar comentário

voltar para Home

left show fwB tsN b01s bsd|left tsN fwB|left show fwB tsN|bnull|||news login uppercase c05 b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 c05 bsd|tsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase|content-inner||