Hélder: manter 115 municípios. Miranda: se livrar do peso morto

Publicado por Reinaldo Araújo em 10/10/2018 às 09h08

Hélder vence em 115 municípios mais a Região Metropolitana de Belém (RMB). A RMB sempre foi resistente ao voto aos Barbalhos devido a formação de classe média e de funcionários públicos, mas neste domingo a trava rompeu.

m1

A RMB é constituída pelos dois municípios do nordeste paraense com maior número de eleitores (Ananindeua e Belém) e ainda Benevides, Marituba e Santa Izabel.

Em Belém, maior colégio eleitoral do Pará, com 990.866 eleitores, Hélder Barbalho obteve 357.755 votos, contra 207.428 de Márcio Miranda. Em Ananindeua, segundo colégio eleitoral, foram 127.704 votos, em contraponto de 58.900, que conferiu Márcio Miranda.

Já no Oeste do Pará, Hélder teve no terceiro maior colégio eleitoral do Estado Santarém, 93.841 votos, contra 36.093, de Márcio Miranda. Em Tailândia, Hélder teve 14.332 votos e Márcio Miranda 10.709 votos.

Em Marabá, Hélder teve a vantagem de 43.758, contra 40.436, em Parauapebas Hélder 40.824, Márcio 34.378 votos e em Altamira 27.419, contra 14.476

Após as votações deste último domingo (07), os candidatos Helder Barbalho (MDB) e Márcio Miranda (DEM) disputarão o 2º turno das eleições para o Governo do Estado do Pará no dia 28.  

Alepa com nova composição

A composição da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) também será alterada. Com 22 deputados estaduais novatos e 19 reeleitos, a Alepa teve uma renovação de 53,6%

Outro fator importante para ser analisado na “nova” Alepa é o caminho político que seguirá a partir de 1º de janeiro. Para se ter uma ideia dos candidatos eleitos na coligação “O Pará daqui pra frente”, o MDB sozinho elegeu 6 deputados, o PR 3, PSC 2, PSD 3, PRB 2, PP, PSL, PHS, PMN, Patri elegeram um deputado cada partido.

Se Hélder estivesse sido eleito em 1º turno contaria com uma maioria apertada na Assembléia Legislativa.

M2

Rumo ao apoio político de lideranças

Hélder Barbalho e Márcio Miranda têm agora, a partir do zero do 2º turno, missões desafiadoras. O primeiro terá que manter-se à frente das pesquisas, consolidar votos e alianças do primeiro turno e ampliar. O outro, terá que ver onde a sua equipe de marketing errou, reavaliar cenários e virar o jogo.

Se bem que a missão de Márcio Miranda não é nada fácil, ainda mais com o seu principal cabo eleitoral, o governador Simão Jatene, que é acusado todas as vezes pelo candidato Hélder de ter abandonado o Estado, não sendo um dirigente presente. Esse talvez seja o principal problema na campanha de Miranda.

Enviar comentário

voltar para Home

left show fwB tsN b01s bsd|left tsN fwB|left show fwB tsN|bnull|||news login uppercase c05 b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 c05 bsd|tsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase|content-inner||