Hospitais Universitários sofrem com administração de OS

Publicado por Reinaldo Araújo em 16/06/2019 às 11h11

Diante de muitas informações do dia a dia  temos que estar alertas e saber fazer uma severa triagem dessas, além, claro de apurar tudo que é dito ou publicado nas redes sociais, muitas vezes tentando fazer a notícia ou a informação chegar mais rápido, nós acabamos atropelando as coisas, sem querer até publicando fakes.

hu

Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza (HUBFS)

Aí, fiquei preocupado com uma possível divulgação de uma "bomba sobre o caos” que vivem os HU’s da UFPA, me antecipei e fiz algumas pesquisas nos arquivos do Google.

Eu, Reinaldo Araújo, tenho uma história com a UFPA, e por tabela, com os Hospitais Universitários (HUJBB e HUBFS), pois foi como membro do DCE-UFPA, juntamente com a Administração Superior, através do Conselho Universitário (CONSUN), o Sindicato dos Médicos, que foram encaminhados todos os processos administrativos e jurídicos para que o João de Barros Barreto passasse a ser Hospital Universitário, isso na primeira metade da década de 90, e dar suporte prático para os acadêmicos de medicina e da área de saúde como um todo.

Foi também como membro do conselho universitário como representante discente que foi escolhido e votado o nome da professora Bettina Ferro de Souza para levar a frente o nome do HU tão importante para a saúde dos olhos do povo do Pará, junto com o pessoal do DAM (diretório Acadêmicos de Madicina), com a minha grande amiga, hoje médica, Terezinha.

Pois é, num momento de cortes de verbas e de dezenas de mentiras que são atribuídas ao ensino superior público brasileiro, que põe na fogueira essa credibilidade, por tudo isso temos que ter cautela.

Os HU’s

Sobre a questão do caos administrativo, em minha pesquisa, em 10/01/2017, “Os servidores técnico-administrativos do Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB) presenciaram no último domingo, 08, um acidente que colocou em risco suas vidas e dos pacientes do local”, diz a matéria.

hu2

Foto da queda do teto numa sala do (HUJBB), em 2017

De acordo com relatos de servidores do Barros Barreto, o acidente foi tratado com indiferença pela administração do hospital. “A direção do HUJBB já considera esses episódios tão comuns que a única providência a ser tomada foi afastar os cacos do mesmo, afirmou um servidor que preferiu não se identificar. O ocorrido junta-se a outro problema recorrente nos últimos meses: a insegurança. Na madrugada do dia 18 de dezembro de 2016 o hospital foi local de uma tentativa de assalto que abalou funcionários e pacientes”.

Na matéria, “o estado de sucateamento e desproteção do hospital expõe a ineficiência administrativa da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), a responsável pelas unidades de saúde”, segundo consta matéria.

Para o Sindtifes, “durante o ano de 2016, aproximadamente 17 milhões de reais foram captados para investimentos nos hospitais universitários, tanto no HUJBB quanto no Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza (HUBFS). Os recursos, no entanto, não foram aplicados até o momento para melhorar as condições de trabalho dos servidores e para tornar mais eficientes os atendimentos aos usuários”, é o que diz na matéria, no site http://alemdafrase.blogspot.com/2017/01/barros-barreto-uma-tragedia-anunciada.html.

Na época, “a assessoria de Comunicação da Unidade João de Barros Barreto (HUJBB), do Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Pará (UFPA), informou em nota que ‘ao tomar conhecimento do deslocamento do reboco do teto do terceiro andar, a administração do HUJBB acionou o setor de engenharia para verificar a causa e fazer a manutenção. Além disso, como medida preventiva, providenciou uma vistoria geral em todo o prédio para evitar incidentes dessa natureza’"

Ainda sobre a situação do HUJBB até janeiro de 2017 

O descaso com os trabalhadores das instituições federais de ensino não está presente apenas na estrutura dos hospitais universitários. Os servidores vinculados à Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp) denunciaram ao Sindtifes que o salário referente ao mês de janeiro de 2017 ainda não foi repassado pela fundação” (http://www.sindtifes.org.br/index.php?option=com_categoryblock&view=article&Itemid=1&id=1293).

Unidade Oncológica do HUJBB favorece mil atendimentos em 1 ano

hu3

 

Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB)

Outra matéria encontrada em minha pesquisa apresenta que a implantação da Unidade Oncológica do HU, já favoreceu “Mais de mil atendimentos por ano é a estimativa do Hospital Universitário João de Barros Barreto com a Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (HUJBB/Unacon), que desde sua inauguração, em 10 de agosto de 2012, passou a ser uma das referências no tratamento do câncer no Pará. A Unacon foi inaugurada com a presença de representantes dos governos estadual e federal, da Administração Superior da Universidade Federal do Pará (UFPA) e dos servidores públicos”, é o que diz o site do hospital (http://www.barrosbarreto.ufpa.br/index.php/noticias-antigas/74-unacon-e-referencia-em-assistencia-e-pesquisa).                           

A Unidade ocupa uma área de 3.100 m², com 49 ambientes. Os recursos alocados para a implantação da Unacon no HUJBB vieram do Ministério da Saúde (MS), na ordem de U$ 2 milhões, repassados ao Hospital por meio do Instituto Nacional do Câncer (Inca), para a aquisição de equipamentos, como o Acelerador Linear (para a radioterapia), a Braquiterapia e o aparelho de Raio-X, além de investimentos em obras de adequação.

O aporte financeiro do governo do Estado foi de R$ 4,5 milhões investidos em obras físicas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), além de repasse dos medicamentos quimioterápicos e da garantia de recursos humanos (servidores) para atuar no atendimento da Unacon do Hospital Barros Barreto.

Bettina Ferro é referência de transplante de córnea

O HU Bettina conquistou duas metas: ser o primeiro hospital universitário a fazer transplante na Região Norte e, agora, por alcançar a planejada para este ano. "A importância se dá porque o Bettina sozinho chegou aos cem transplantados, então é muito importante para nós, porque com todas as mudanças e dificuldades no Brasil, um hospital público ainda se motivar a bater metas, é algo louvável", enfatiza. Ele adianta que para 2018 estima-se fazer 200 transplantes no HU, desde que se mais doadores cadastrados.

Recursos

O aporte financeiro do governo do Estado foi de R$ 4,5 milhões investidos em obras físicas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), além de repasse dos medicamentos quimioterápicos e da garantia de recursos humanos (servidores) para atuar no atendimento da Unacon do Hospital Barros Barreto.

As Organizações Sociais (OS) são problema aonde existem

Reclamações das OS, como a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) estão em todos os hospitais regionais e clínicas bancadas nos governos PSDB no Pará, sobretudo nos governos de Jatene. Esse tema foi de grande destaque nos debates entre os candidatos ao governo do Estado.

Eu particularmente, não concordo com repasse do dinheiro do SUS para a iniciativa privada. Isso é uma declaração de incompetência da administração pública em gerir hospitais, e mesmo um descaso pois essas OS somente investem naquilo que traz retorno imediato a elas.

Por fim, precisamos refletir muito sobre denuncias, o que podem ser publicado ou não. O que acontece é que eu fiquei preocupado, quando estamos tentando passar para a sociedade brasileira que as universidades têm produção, vamos dar armas aos adversários.

Então é isso. Sem polêmicas, somente uma pesquisa. Se há novidades sobre os HU's, estamos aqui mas é verdade que deve ser reaberto esse negócio de Organizações Sociais administrar dinheiro público.

Enviar comentário

voltar para Home

left show fwB tsN b01s bsd|left tsN fwB|left show fwB tsN|bnull|||news login uppercase c05 b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 c05 bsd|tsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase|content-inner||