O grande desafio é a geração de emprego em Tailândia – Parte 2

Publicado por Reinaldo Araujo em 05/02/2017 às 10h48

Se tivéssemos todos os dados do desemprego em Tailândia a situação seria bem prior...

ER 1

Emprego formal, informal e sub-emprego sem carteira assinada...

Coube-nos a necessidade de debater de forma mais profunda a questão da geração emprego em Tailândia, pois mesmo com os dados apontados em 2015, que ficou em torno de 4 mil desempregados na região (SINE-Tailândia – Seguro-desemprego/2015), temos que aceitar que esses dados ainda são tímidos se compararmos o número expressivo do trabalho informal e os que trabalham sem carteira assinada. Se tivéssemos esses dados o número do desemprego em Tailândia seria muito maior.

Hoje os técnicos, políticos, empresários e fazendeiros do município se empolgam com a possibilidade de alavancar na região o Agronegócio. Mas o que é isso?

O Agronegócio é a totalidade das operações de produção e distribuição de suprimentos agrícolas, das operações de produção nas unidades agrícolas, do armazenamento, do processamento e da distribuição. Ainda devemos adicionar a este conjunto, os serviços financeiros, de transporte, marketing, seguros, bolsas de mercadorias, que envolve. Todas estas operações são elos de cadeias, que se tornaram cada vez mais complexos.

É importante dizer que o Agronegócio deveria adicionar mais serviços e empregos fora da fazenda do que dentro dela, haja vista que até mesmo por exigências do mercado internacional, a produção tem que passar por altos níveis de qualidade total.

Mas o que é bom para o agronegociador é que seu lucro é em dólar, enquanto que o salário dos trabalhadores é pago em real. Além do mais, para que uma empresa do “Agro-ramo” venha a se instalar no município, deve trazer consigo a indústria para o beneficiamento da produção e com isso gerar emprego para os tailandenses, diferente do que faz a Agropalma, uma empresa paulista que usa a nossa região como Colônia Agrícola, onde ficam os anéis, mas vão se embora todos os dedos.

ER 2

Empresas colonialistas levam as nossas riquezas do campo

A Agropalma, onde o óleo bruto é produzido nas fábricas de Tailândia e Acará, é refinado em fábrica de gorduras que está localizada em Belém, gerando emprego na capital do Estado e não aqui para o nosso povo

Essa empresa se “orgulha” em gerar mais de 5 mil empregos diretos e mantém agrovilas com completa infraestrutura para seus colaboradores. Porém, se esquecem de dizer que todo o Distrito de Palmares (Auí-Açu, Palmares e Turi-Açu), têm muito poucos benefícios, contrapartidas e compensações nas áreas de saúde. educação ou infraestrutura para a região. Uma empresa colonialista que leva as riquezas de Tailândia, literalmente, para a metrópole. 

Belém Bioenergia

Outra ilusão criada na cabeça do povo de Tailândia foi a Bioenergia, que se constitui atualmente num segmento das denominadas energias renováveis, fração cada vez mais representativa entre as matrizes energéticas de vários países do mundo.

A pesar que no aspecto ambiental, a Belém Energia Brasil atua na conservação das florestas nativas, na recuperação de matas ciliares, cria corredores ecológicos com os plantios de palma, fixa grande quantidade de carbono da atmosfera e viabiliza uma fonte de energia limpa e renovável, deixa muito a desejar no aspecto da saúde do trabalhador e na geração de empregos.

ER 3

No início, o que foi um oásis que, que naquele momento empregou cerca de 2 mil trabalhadores, não passou de uma miragem, que até hoje muitos ex-trabalhadores sofrem com doenças ocupacionais e hoje, a empresa não emprega nem 500 pessoas.  

Esses questionamentos devem ser travados agora, hoje. O povo de Tailândia e o Poder Executivo e Legislativos não podem permitir que outros projetos de “desenvolvimento” sejam implantados no município sem abrir essa discussão com o todos os envolvidos. Não se pode deixar a coisa se arrastar pelo muro, onde na verdade, mais uma vez um grupo venha a se beneficiar com lucros gigantescos, enquanto o povo come xibé.

É preciso deixar as portas de Tailândia abertas para empresas que não tenham apenas como slogan: “responsabilidade social e geração de emprego”, mas que essas empresas tenham responsabilidade social e compromisso de geração de emprego para o povo de Tailândia.

Comentários

Núbia lafaeth dias Ribeiro em 11/08/2018 13:07:55
Olá gostaria muito de fazer parte dessa família, tenho um vasto histórico em indústria de palma.
Israel de Souza Oliveira em 16/04/2018 12:38:59
Gostaria de um emprego na bbb de Tailândia como eu faço?

Enviar comentário

voltar para Home

left show fwB tsN b01s bsd|left tsN fwB|left show fwB tsN|bnull|||news login uppercase c05 b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 c05 bsd|tsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase|content-inner||