Obrador e mais uma página da História do México

Publicado por Reinaldo Araújo em 03/07/2018 às 09h07

Mexicanos elegem presidente chavista

Obrador

O México é um país que possui uma história muito complexa, pois possuía muitos habitantes de diversas civilizações diferentes, passou com invasões, guerras e crises econômicas até chegar a se tornar o país que conhecemos hoje. 

A chegada dos espanhóis

A região era habitada por astecas, toltecas e os maias antes mesmo da chegada dos espanhóis. Coube ao espanhol Hernán Cortés a ação de acabar com essas civilizações entre os anos de 1519 e 1521. No local onde existia a capital do império asteca foi construído a Cidade do México, atual capital do país. Essa expansão também foi importante para difundir a fé católica, uma vez que, após as conquistas das regiões, missionários eram enviados para converter os indígenas a fé do catolicismo.

A independência

Em 1810 é proclamada a independência do México, e em 1824 de sua república. A independência aconteceu porque as pessoas que faziam as colônias não queriam mais enviar as riquezas encontradas para a Espanha. Em uma missa, a população foi convocada ir contra o governo, e este fato se tornou o marco para o grito de independência, realizado em um povoado chamado Dolores.

A influência da independência dos EUA e seus interesses posteriores na região seriam fundamentais para eclosão de outros movimentos no país.

Por volta de 1845 e 1848 o México trava uma guerra com os Estados Unidos e acaba perdendo durante os confrontos vários territórios que eram localizados no norte do país, regiões que hoje são conhecidas como: Estados do Texas, Nevada, Califórnia, Utah e Novo México.

Ainda no século XIX, o governo do general Porfirio Díaz durou cerca de 31 anos (1876 – 1911), o que ficou conhecido como “Porfiriato”. E para se colocar um fim a duração desse governo foi preciso o país passar por uma revolução, a Revolução Mexicana. Ela foi liderada por Zapata e Villas por volta de 1910, custando a vida de 10% da população existente no México naquela época.

Reformas econômicas e o NAFTA

Já em 1980, a política econômica do México passa por grandes mudanças, inclusive de reformas do Estado, onde várias empresa estatais foram privatizadas, no auge do Neoliberalismo. E um detalhe importante na história do México é a entrada do mesmo no grupo Nafta, em 1993, que concedeu livre comercio na região Norte Americana.

Em 1994, o país viveu uma grande crise, e acabou afetando vários países que dependiam do fator comercial do México, e esta crise ficou conhecida como “efeito tequila”. A crise se deu pela falta de competitividade que as empresas mexicanas enfrentaram com as entradas de empresas dos Estados Unidos.

Vitória de Obrador: claro que não representa uma nova Revolução Mexicana

No ano de 2000, sobe ao poder Vicente Fox Quesada, que faz parte do Partido da Ação Nacional do México (PANM), acabando uma hegemonia de 71 anos do governo do Partido Revolucionário Institucional (PRI).

O ano de 2018, pode ser considerado mais um momento histórico para o México com a vitória de Andrés Manuel López Obrador, de 64 anos, líder da esquerda e um firme crítico da elite governista, a quem chama de “máfia do poder”. Venceu com a promessa de um governo sem privilégios e que acabará com a corrupção no país.

Quem é Obrador?

Obrador é considerado um populista e chamado de chavista por opositores, que é um termo utilizado para descrever fortes apoiantes das ideias do ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez, o acusam de querer transformar o México em uma Venezuela.

Uma de suas propostas de governo para combater a violência e os cartéis de drogas, defende uma estratégia combinada que inclui estímulo ao desenvolvimento econômico, reinstalação da Secretaria de Segurança Pública e formação de uma guarda nacional com forças policiais e militares.

Do ponto de vista econômico a sua equipe tem dito a investidores que ele não é um radical de esquerda e que lutará para preservar o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês), grupo formado também por EUA.

Obrador terá de lidar com a pressão de Trump pela construção de um muro na fronteira entre os dois países, que segundo o presidente americano visa impedir a imigração ilegal aos EUA. A migração ganhou os holofotes internacionais pelas centenas de famílias que fogem da violência na América Central para pedir asilo no México ou nos Estados Unidos.

O novo presidente do México receberá o país com uma taxa ajustada de desemprego que caiu a 3,5% em fevereiro, em 2017, na comparação anual do Instituto Nacional de Estatística e Geografia do México (Inegi).

Em fevereiro do ano passado, a taxa de desocupação estava em 4,3% da população economicamente ativa. Em janeiro de 2018, a taxa de desemprego estava em 3,6%.

Segundo a Pantheon Economics, o relatório mostra que a economia tanto do setor industrial como de serviços se mostrou resistente no primeiro trimestre, apesar dos ventos contrários nos cenários externo e doméstico.

De certo, Andrés Manuel López Obrador terá que centrar foco na corrupção e na violência social gerada pelo narcotráfico, que já fez várias vítimas no país, inclusive de políticos, além claro, da já conturbada relação política e economia com seu vizinho norte americano.

Governo aberto ao diálogo com os EUA

Ao contrário do que pensa nossos amigos da esquerda brasileira, a vitória de Obrador não representa uma revolução na América Latina e o início do embate com os EUA, seu governo tem como compromisso de campanha criar ações contra a violência e a corrupção e ter uma porta aberta para o diálogo com o governo norte americano, isso será as principais preocupações de seu governo.

Enviar comentário

voltar para Home

left show fwB tsN b01s bsd|left tsN fwB|left show fwB tsN|bnull|||news login uppercase c05 b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 c05 bsd|tsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase|content-inner||