RENCA - Querem vender a Amazônia Paraense:

Publicado por Reinaldo Araujo em 04/09/2017 às 15h12

Não deixe!

RENCA

AGÊNCA GLOBO - POR DANIELLE NOGUEIRA - 29/08/2017

RIO - O governo Temer publicou decreto liberando ao setor privado a atividade de pesquisa mineral em uma área da Amazônia, a Renca, em que antes apenas o governo tinha o direito de exercer a atividade. Saiba os objetivos e riscos dessa decisão:

O que é a Renca?

A Reserva Mineral de Cobre e seus Associados (Renca) foi criada em 1984, no fim da ditadura militar, com o objetivo de fazer pesquisa mineral nessa região. Tem 47 mil km² de área, equivalente ao estado do Espírito Santo. A ideia era explorar o potencial dos recursos minerais da região. Apesar de estar localizada no limite dos estados do Pará e do Amapá, em plena Floresta Amazônica, não havia preocupação do governo da época em preservar a Amazônia.

O que muda com a publicação do decreto que extingue a Renca?

Quando foi criada, a pesquisa mineral na Renca seria feita exclusivamente pelo Estado. Mas os estudos pouco andaram. Com o decreto, o governo Temer abre a atividade de pesquisa, e consequentemente, a atividade de mineração, ao setor privado. A ideia do governo é atrair investimentos para a área, dinamizando a economia do país.

Por que foram publicados dois decretos?

RENCA 2

O primeiro decreto extinguindo a Renca foi publicado em 22 de agosto de 2017. Tinha apenas quatro artigos e não deixava clara a extensão que a atividade mineradora do setor privado teria dentro da Renca. Porém, devido à má repercussão da decisão, o governo decidiu editar novo decreto, esclarecendo como será feita a pesquisa mineral na antiga Renca.

É um problema a decisão ter sido tomada por decreto?

Ambientalistas argumentam que a decisão por decreto não permitiu a discussão com a sociedade. Um projeto de lei, por exemplo, exige a realização de audiências públicas no Congresso para o debate.

A Renca será liberada integralmente para a mineração?

Não. Estima-se que de 15% a 30% da área serão liberados ao setor privado para pesquisa mineral. O restante é ocupado por unidades de conservação. São nove no total, sendo sete de proteção ambiental e duas terras indígenas.

Há riscos de a atividade mineradora ser praticada dentro das unidades de conservação?

O novo decreto reforça outras normas já existentes e deixa claro que não será autorizada pesquisa mineral nem será concedida lavra ou qualquer outro tipo de direito de exploração minerária nas unidades de conservação, exceto se previsto no plano de manejo dessas unidades. Das sete unidades de proteção ambiental que têm sobreposição com a Renca, três (Estação Ecológica do Jari, Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque e Reserva Biológica de Maicuru) são de proteção integral, ou seja, a mineração não é permitida.

RENCA 3E nas outras áreas?

Há quatro áreas de uso sustentável, ou seja, a mineração será permitida se prevista no plano de manejo. Em duas delas (Reserva Extrativista do Rio Cajari e Floresta Estadual do Amapá), já foi tomada a decisão de não liberar a atividade. O plano de manejo da Floresta Estadual do Paru libera a atividade mineradora e algumas de suas áreas. Já a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Irataputu não tem plano de manejo ainda. Por enquanto, a mineração é proibida lá. Só será autorizada se o plano de manejo assim prever futuramente.

E nas terras indígenas, a mineração é permitida?

Não. Há duas terras indígenas cortadas pela Renca: Waiãpi, no Amapá, e Rio Paru D’Este, no Pará. Segundo a Funai, a terra indígena Waiãpi é de uso exclusivo do povo Waiãpy, com população de 874 pessoas (dados do Censo de 2010). Já a terra indígena Rio Paru D’Este é de uso exclusivo dos povos Apalaí e Wayana, com população de 244 pessoas (dados de 2010). A extinção da Renca não muda em nada o status dessas áreas. Há, no entanto, projeto de lei que tramita no Congresso para permitir a atividade mineradora em terras indígenas, dentro ou fora da Renca.

Quais os riscos para as unidades de conservação então?

Quando a Renca foi criada em 1984, apenas uma das nove áreas de conservação existia. Boa parte do potencial mineral da Renca está nestas e nas sete áreas de conservação que foram criadas depois. Mesmo que o decreto que extigue a Renca reforce que a mineração não será permitida nessas áreas, ambientalistas temem que a instalação de mineradoras nas áreas legalmente abertas à atividade atraiam pessoas dispostas a praticar o garimpo ilegal nas unidades protegidas. Além disso, o surgimento de grandes projetos de mineração provocam migração populacional, que acaba pressionando a região de floresta.

Que outros riscos podem existir?

Mesmo que não haja mineração nas áreas protegidas, há possibilidade de impacto nessas regiões. Se um rio for contaminado, por exemplo, a água que chegará às àreas protegidas é afetada.

Enviar comentário

voltar para Home

left show fwB tsN b01s bsd|left tsN fwB|left show fwB tsN|bnull|||news login uppercase c05 b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 c05 bsd|tsN fwR uppercase b01 c05 bsd|fwR c05 uppercase|content-inner||